governo sao paulo
  • portugues
  • espanhol
  • ingles
  • diminuir texto
  • aumentar texto

Exposição de Longa Duração

Tupã Plural

Tupã Plural é uma exposição que visa a destacar o município como um lugar de diversas culturas. Desde sua formação, Tupã revelou sua vocação intercultural, na qual o convívio e as trocas marcaram a identidade e a memória da cidade e de seus moradores. Está estruturada em cinco módulos:

“Creio em Tupan”

Inicialmente, por meio de uma maquete multimídia, são apresentados aspectos da colonização da região, recuando ao final do século XIX quando o oeste era um “sertão vazio habitado por Kaingang”. “Creio em Tupan” é frase de Luiz de Souza Leão, um dos fundadores de Tupã, empreendedores que buscaram o oeste de São Paulo para a expansão da cafeicultura. Foi o espírito empreendedor que chamou a atenção de diversos grupos de imigrantes que atuaram na construção da cidade.

Aldeia Indígena Vanuíre

Esse módulo destaca a presença indígena na região, seja no passado ou no presente. Apresenta informações históricas sobre os Kaingang na região oeste de São Paulo e a formação, em 1912, dos aldeamentos Indígenas pelo SPI (Serviço de Proteção aos Índios), atuais Terras Indígenas (TI) Vanuíre e Icatu. O módulo valoriza a resistência cultural dos Kaingang e Krenak, grupo que veio para a região a partir da década de 1950.

Os Índios no Brasil

Apresentação dos brinquedos indígenas do acervo do museu e às ilustrações de José Lanzellotti, adquiridas pelo Conselho Estadual de Cultura em 1972, que representam parcialmente a diversidade dos grupos indígenas no Brasil.

Representação Plumária no Acervo Indígena

Esse módulo explicita a riqueza da coleção plumária indígena do museu, com a apresentação dos estilos estéticos de 14 povos, tais como: Guajajára, Kaapór (Urubu), Karajá, Kayapó, Kayapó-Metyktire, Meinaku, Suyá, Tapirapé, Wajãpi, Waurá, Xavante, Yanomámi; provavelmente Munduruku e Asurini do Tocantins.

Representação Tecida e Cesteira no Acervo Indígena

Nesse módulo expositivo o público tem acesso à riqueza dos artefatos cesteiros e tecidos do museu. A cestaria está organizada etnograficamente de acordo com o uso, como cozinha, meios de transporte e artefatos de uso ritual e pessoal. Os artefatos tecidos estão agrupados etnograficamente por conforto pessoal, vestuário e adorno, além dos meios de transporte. Esse módulo compreende 21 povos ou culturas, tais como: Alto Xingu, Asuriní, Bakairí, Baníwa, Bororo, Canela, Chiquitano, Etnia do Alto Rio Negro, Etnia do Alto Xingu, Guajajára, Kaingang, Kamayurá, Karajá, Karib, Kayapó-Metyktire, Sateré-Mawé, Tukáno, Waurá, Xavante, Yanomámi, Yawalapiti.