governo sao paulo
  • portugues
  • espanhol
  • ingles
  • diminuir texto
  • aumentar texto

Programação Novembro

Família no Museu

Aos sábados e domingos, o Museu Índia Vanuíre realiza oficinas culturais para famílias. A programação desenvolve atividades lúdicas e reflexivas com os participantes, como forma de uma maior integração a família e o Museu. Será desenvolvida uma oficina abordando a temática do primeiro módulo sobre a colônia portuguesa a família participante desenvolverá um chaveiro em EVA representando o Galo de Barcelos.

Aguçando as Memórias

O projeto Aguçando as Memórias contribui com a inclusão social e cultural do idoso, proporcionando que ele seja tenha recursos para alcançar sua capacidade e potencialidade, valorizando seus saberes e revivendo bons momentos de suas vidas, buscando enxergar a vida de uma maneira tolerante e positiva, trazendo de volta sua autoestima, através das memórias e da busca afetiva das lembranças. No primeiro encontro, os integrantes farão a finalização do projeto com a montagem dos álbuns contendo as peças bordadas em juta e também os relatos das fases da vida de cada um. Os álbuns serão exibidos numa minimostra no auditório do Museu. No segundo encontro, o grupo fará uma viagem a Varpa para maior socialização entre os participantes.

Museu e Cidadania

O Museu Índia Vanuíre recebe os moradores das Residências Terapêuticas de Tupã para explorar os conteúdos do acervo e das exposições temporárias de forma acessível e lúdica. A ação tem como objetivo a inclusão sociocultural. A atividade do mês é a pintura com papel crepom e pintura esponjada.

Saberes e Fazeres Indígenas

A programação Saberes e Fazeres Indígenas é uma resposta ao esforço empreendido por comunidades indígenas de todo o país no que diz respeito à preservação e transmissão de sua memória, estendendo para além de 19 de abril a celebração do Dia do Índio. A convidada do mês é Helena Damaceno, Krenak da T.I. Vanuíre. Na oportunidade, ela desenvolverá um diálogo com o público sobre sua cultura e apresentará a exposição temporária Ató Jagí Burum Krenak – Tecendo Saberes do Povo Krenak, da qual é curadora.

O Olhar é o Sentir Pelas Mãos

O projeto O Olhar é o Sentir Pelas Mãos é uma ação sociocultural com Programa Vida Iluminada – Unimed e tem a intenção de promover a inclusão dos deficientes visuais para que eles se tornem frequentadores do Museu Índia Vanuíre de Tupã. A programação também promove a convivência da equipe com o público cego, despertando nos envolvidos momentos de aprendizado, reflexões. Finalizando o módulo de contação de histórias, os integrantes do projeto contarão suas memórias utilizando fantoches e a técnica ensinada durante o processo das atividades.

Cultura e Questões Indígenas em Foco

Em razão da comemoração do Dia da Consciência Negra, o museu exibirá o episódio “Matriz Afro”, da série “O Povo Brasileiro”, produzido a partir da obra do antropólogo Darcy Ribeiro (1913-1997). Definidos por Darcy Ribeiro como a massa substancial da força de trabalho de se fazer o Brasil e como o componente mais criativo da cultura brasileira, os negros, segundo a análise do antropólogo, vem de um continente de realidade humana muito homogênea, de sociedades, línguas e culturas muito variadas.

EXPOSIÇÃO: Ató Jagí Burum Krenak – Tecendo Saberes do Povo Krenak

Exposição autonarrativa Krenak busca mostrar a presença desse povo no Estado de São Paulo. Os Krenak da T.I. Vanuíre desenvolvem, há mais de duas décadas, um trabalho de revitalização de sua cultura, costumes e língua materna. Este trabalho ocorre de forma construtiva e a cada ano se fortalece e vence as barreiras que os mais velhos da etnia foram obrigados vivenciar no passado, como o anonimato e opressão de sua cultura e toda sua riqueza de conhecimento e saber. Algo que enriquece e enaltece a muitos, mas que, por falta de conhecimento dos não indígenas, acaba sendo resultado de julgamento e de várias formas e pré-conceitos.

 

MÊS DA CONSCIÊNCIA NEGRA

De 06 a 16/11/2018

O projeto “Mês da Consciência Negra no Museu Índia Vanuíre” já se tornou referência em Tupã e região e tem sido um processo de reconstrução da história e identidade da cultura negra local. As atividades são realizadas em parceria como a União do Movimento Negro com Todos (Umont) e tem como objetivo valorizar a cultura negra, mostrar o papel participativo do negro na sociedade brasileira e a sua participação ativa na construção de uma cidadania baseada em princípios democráticos, que valorizam a diversidade e as diferenças culturais.

Palestra: O Que Sabemos Sobre o Povo Negro?

André Prado, presidente da Ong Umont, produtor cultural e pesquisador de cultura afro, ministrará uma palestra sobre as histórias que foram contadas e as que não foram contadas sobre o povo negro no Brasil. A ação será desenvolvida por meio de roda de conversa, com a exibição de vídeos, tendo como objetivo estimular a reflexão sobre ideias pré-concebidas e errôneas sobre a cultura afro.

Espetáculo de Dança Empoderamento

O espetáculo de dança consiste em abordar os temas racismo, preconceito e assédio através de relatos e expressões corporais de mulheres negras. O espetáculo enfatizará que embora ainda exista preconceito, a mulher negra vem conquistando força e posicionamento nas universidades e em todos os campos sociais, como o político e econômico.

Em Cartaz no Museu

Em celebração do Mês da Consciência Negra, o Museu exibirá o episódio “Matriz Afro”, da série “O Povo Brasileiro”, produzido a partir da obra do antropólogo Darcy Ribeiro (1913-1997). Definidos por Darcy Ribeiro como a massa substancial da força de trabalho de se fazer o Brasil e como o componente mais criativo da cultura brasileira, os negros, segundo a análise do antropólogo, vem de um continente de realidade humana muito heterogênea, de sociedades, línguas e culturas muito variadas.

Workshop de Tranças Afro Artísticas e Dreads

O ativismo pelos cabelos naturais não pode ficar restrito à cor da pele. Meninas brancas de cabelo crespo também passam a vida sendo bombardeadas pelo padrão de beleza que, durante muito tempo, só teve espaço para o cabelo liso. Marisa Silva, cabeleireira e diretora da ONG Umont vai apresentar técnicas de tranças, dreads e penteados para cabelos crespos.  A atividade tem como objetivo valorizar a tradição e estética afro, além de provocar a autoestima e autoafirmação da mulher negra.

Oficina de Grafite

André Prado, presidente da Ong Umont, produtor cultural e pesquisador de cultura afro, também é coordenador de oficinas culturais, grafiteiro e ligado ao movimento Hip Hop há mais de 10 anos. Ele apresentará através de oficina, as técnicas básicas de grafite, como traços, contornos e degrades utilizando tintas látex e sprays.

Oficina: Dança Afro/Azonto e Black Charme

Marisa Silva, Rainha do Carnaval de Tupã por três vezes, dançarina e coreografa da companhia de dança Stylo Black, apresenta os passos iniciais de dança afro raiz e o novo ritmo que nasceu no país de Gana, o azonto.

Confecção de Bonecas Abayomi

Marlene e Marisa (Ong Umont), ministrarão as aulas de confecção das bonecas que são símbolo de resistência. As bonecas ficaram conhecidas como Abayomi, termo que significa “Encontro Precioso”, em Iorubá, uma das maiores etnias do continente africano, cuja população habita parte da Nigéria, Benin, Togo e Costa do Marfim.

Contação de Histórias Africanas

Toda história por mais simples que pareça transmite algo no desenvolvimento da criança, de uma forma criativa e reflexiva.  Com o objetivo de promover a reflexão e o conhecimento de uma forma dinâmica, será realizada a oficina Contação de Histórias. Com a ajuda de fantoches, serão apresentadas para as crianças várias histórias, fábulas e lendas sobre a cultura negra.

 

Local: Museu H. P. Índia Vanuíre (Rua Coroados, 521 – Tupã/SP)

Informações: (14) 3491-2333

Entrada: gratuita

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*