governo sao paulo
  • portugues
  • espanhol
  • ingles
  • diminuir texto
  • aumentar texto

Visita Técnica da Escola Estadual Indígena Aldeia Ekeruá

Atualmente, se tem observado a expansão de organizações e iniciativas de memórias indígenas. Dentro dessa temática, estão sendo criados e aprimorados museus indígenas pelo Brasil. No oeste paulista é uma ação recente, mas está ganhado impulso por meio do contato dos indígenas locais com outros povos que já possuem alguma experiência no assunto. O relacionamento estreito com os museus tradicionais também estimula o desenvolvimento dos seus processos museológicos.

O Museu Índia Vanuíre, com o Projeto Identidade, tem procurado auxiliar os indígenas da região, fornecendo conhecimentos técnicos e ajudando-os na implantação de seus museus/casas de memória. O fortalecimento e a divulgação da cultura indígena são valores do Museu, que sempre busca meios – dentro das possibilidades museológicas – de contribuir para a manutenção da tradição e costumes indígenas.

Com o recente desenvolvimento de instituições culturais indígenas no oeste de São Paulo, o interesse dos indígenas com relação à implantação de locais desse tipo dentro das terras indígenas tem aumentado. Um dos exemplos é a comunidade da Aldeia Ekeruá, da T.I. Araribá, em Avaí, que tem participado cada vez mais de ações que envolvem a temática. No dia 11 de outubro, a escola estadual indígena fez uma visita técnica ao Museu Índia Vanuíre para apresentar às crianças como é o funcionamento de um museu, com ênfase na exposição e na reserva técnica.

O passeio teve início com uma orientação no espaço expositivo, feita pelos educadores, com destaque nos módulos com temática indígena. Posteriormente foi aplicado um jogo com o mesmo tema. Em seguida, foi realizada a visita na reserva técnica. O grupo foi dividido em três, para respeitar a capacidade máxima de pessoas que o ambiente pode conter sem que haja alterações nos acervos. O trabalho foi apresentado e o maior interesse dos indígenas foi em relação ao tratamento dos materiais etnográficos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*